Pegasus

Fazenda Monte Olimpo

Pegasus

HÉRACLES ou HÉRCULES

O grande Zeus teve muitos casos amorosos com mulheres mortais, para grande desconsolo de sua esposa, a deusa Hera. As crianças nascidas desses amores eram semideuses e nenhum foi maior do que Héracles (Hércules), concebido para ser protetor tanto dos homens quanto dos deuses.

Zeus deitou com Alcmena, mãe de Heracles, disfarçado como seu marido, Anfitrião, que estava longe, guerreando. Zeus mandou que o tempo diminuísse sua velocidade para que uma noite durasse três. Quando Anfitrião regressou, no dia seguinte, Alcmena estava cansada demais para dar-lhe as boas-vindas ao lar; ela já estava grávida do filho de Zeus.

Nove meses mais tarde, Zeus gabou-se no Olimpo sobre o herói, seu filho, que estava para nascer. “Seu nome será Héracles, e governará a nobre Casa de Perseus”.

Hera ficou furiosa, especialmente porque o nome Héracles significava “Glória de Hera”. Ela foi até Zeus e perguntou: “Você jura que a criança que nascerá hoje na Casa de Perseus será o rei de Micenas?”. “Juro”, disse Zeus. Hera imediatamente foi até Micenas e apressou o nascimento de Euristeu, primo de Heracles. Depois foi sentar-se fora da porta do quarto de Alcmena e a enfeitiçou para que ela não desse à luz até o dia seguinte.

Zeus não podia voltar atrás em sua palavra, e assim Euristeu, em vez de Heracles, tornou-se rei. No entanto, Hera concordou que se Héracles pudesse cumprir Doze Trabalhos, a serem determinados por Euristeu, ele poderia tornar-se deus.

Alcmena ficou tão assustada por estar metida no meio de uma briga entre Zeus e Hera que abandonou seu bebê fora de Tebas, a principal cidade de Micenas. Zeus, vendo o que acontecia, pediu à deusa Athenas que levasse Hera para passar por ali. “Olha esta criança tão forte, Hera”, Athenas exclamou. “Sua mãe deve ser louca para abandoná-lo. Você está amamentando, Hera. Dê-lhe um pouco de leite”.

Assim deixando o bebê amamentar em seu seio, Hera foi induzida a salvar a vida de Heracles. Mais tarde, Athenas devolveu o bebê para Alcmena. “Guarde-o bem”, ela disse.

Um ano mais tarde, Hera tentou novamente despistar os planos de Zeus. Mandou duas terríveis serpentes, com escamas azuis e olhos flamejantes, para que enfiasse suas presas envenenadas na criança adormecida. De manhã, Alcmena encontrou Heracles sentado, murmurando de prazer, e pendurando as duas serpentes mortas nas grades do berço. Ele as tinha estrangulado com suas próprias mãos. Esta foi apenas uma das maravilhosas façanhas praticadas por Heracles na infância.

Cresceu alto e ereto, com olhos orgulhosos e força descomunal. Gostava de correr sob as estrelas, aprendeu a refletir e também lutar. Era um especialista tanto no arco quanto na javalina, mas sua arma preferida era uma maça cortada de uma oliveira selvagem.

Finalmente chegou o tempo em que Héracles deveria cumprir os Doze Trabalhos que fariam dele um deus.

1ª Tarefa: Esta tarefa determinada por Euristeu era para ser a última, pois ele pediu ao primo que matasse o leão de Neméia, uma temível besta cujo couro era invulnerável a qualquer arma.

Quando Heracles chegou a Neméia, não conseguiu achar ninguém que lhe dissesse onde estava o leão, pois este tinha devorado todos em seu caminho. Ele se pôs a caçá-lo pela região e acabou descobrindo seu covil.

Lá esperou até quando o leão regressou da caça, sua juba estava manchada com o sangue de suas vítimas. Héracles disparou contra o leão com seu arco, mas as flechas simplesmente resvalavam. Atacou-o com sua espada, mas os golpes repercutiam em suas mãos. Então ele seguiu a criatura até dentro da caverna e lá a agarrou e esganou até a morte.

Quando Héracles voltou a Tebas, usando a pele do leão como armadura, o rei Euristeu quase desmaiou. “Da próxima vez”, disse “só me avise que cumpriu a tarefa. Não é preciso vir pessoalmente”. Euristeu estava aterrorizado, temendo que Heracles pudesse fazer com ele o mesmo que havia feito com o leão de Neméia.

2ª Tarefa: Foi para matar a Hydra de muitas cabeças, uma criatura tão terrível que cheirar seu hálito já era fatal. Cada vez que ele cortava uma de suas cabeças, nasciam outras. Foi auxiliado por seu sobrinho, Iolau, que queimava cada pescoço assim que era decepado, o que impedia que crescessem outras cabeças. Mas finalmente ele a matou.

3ª Tarefa: A corça Cerínia. No monte Cerínia vivia uma corça com chifres de ouro – uma criatura sagrada para a deusa Ártemis. Heracles tinha de capturar a corça, mas sem machuca-la. Ele a perseguiu durante um ano, até conseguir pegá-la com uma rede, mas a corça se feriu. Heracles pôs a culpa em Euristeu, para que Ártemis se zangasse com ele.

4ª Tarefa: O javali de Erimanto. Essa gigantesca criatura aterrorizava o povo que vivia em volta do monte Erimanto. Heracles teve de levar o javali vivo de volta a Euristeu, que, de medo do animal, se escondeu numa urna.

5ª Tarefa: Héracles foi enviado para limpar os estábulos do rei Augias. Euristeu e seus cortesãos estouraram de riso ao pensarem nisso, pois os estábulos de Augias jamais haviam sido limpos. Os excrementos do gado e dos cavalos se amontoavam tanto que o local estava coberto de esterco.

“Ele não será capaz de olhar para o nariz depois de um ou dois anos carregando esterco”. Brincou Euristeu, “mesmo sendo filho de um deus. Ele nem vai querer mais usar o nariz!”.

Héracles não se intimidou. Quando chegou aos estábulos, disse ao rei Augias: “Ao anoitecer já terei terminado”. A primeira coisa que fez foi abrir dois buracos nos muros do estábulo. Depois desviou dois rios próximos para que passassem pelo meio dos estábulos e, em um dia, tinha varrido os estábulos, e os campos e vales estavam limpos novamente. Assim Héracles removeu as montanhas de esterco sem sujar suas mãos.

6ª Tarefa: As aves de Estinfale. Estas aves gigantescas comiam carne humana e estavam aterrorizando o lago Estnfales. Heracles espantou as aves das árvores e matou-as a flechadas.

7ª Tarefa: O touro de Creta. Um touro que soltava fogo pelas narinas (pai do Minotauro) andava à solta pela ilha de Creta. Heracles teve de pegá-lo vivo e levá-lo para Tirinto.

8ª Tarefa: As éguas de Diomedes. O rei trácio Diomedes alimentava suas éguas com carne humana. Heracles matou o rei deu-o às éguas. Depois as domou e levou-as para Tirinto.

9ª Tarefa: O cinturão de Hipólita. A rainha das Amazonas, Hipólita, tinha um lindo cinturão que Euristeu queria dar para sua filha, Admete. Heracles lutou com a rainha e matou-a para pegar o cinturão.

10ª Tarefa: O rebanho de Gerião. O monstro de três corpos Gerião tinha um rebanho de gado vermelho. Heracles matou os três e depois capturou o gado.

Como se vê todos trabalhos de natureza semelhante. Enviado para lutar contra um monstro e conseguia, com força e astúcia, matá-lo ou capturá-lo. Mas ainda faltavam três que eram de natureza diferente. “É evidente que ele pode caçar e lutar”, disse Euristeu. “Mas vamos ver como se sai com o trabalho pesado”.

11ª Tarefa: O trabalho era mais complicado. Foi enviado para conseguir algumas maçãs de ouro do jardim das Hespérides, que estavam no Ocidente longínquo, no Monte Atlas. As maçãs cresciam numa árvore que teria sido presente de casamento para a deusa Hera dado por Gaia, à mãe terra. As Hespérides, três virgens, cuidavam da árvore e dos frutos. Além disso, uma feroz serpente estava enrolada na árvore para proteger os frutos preciosos dos ladrões.

Héracles não sabia como roubar este tesouro e decidiu pedir conselho aos deuses que lhe disseram apenas que Nereu, o Velho do Mar, sabia como encontrá-lo. Sabendo dos truques de Nereu, Heracles resolveu agir enquanto o velho dormia, agarrando-o com firmeza. Nereu mudou de forma muitas vezes tentando escapar. Finalmente, Nereu lhe disse tudo o que precisava saber.

Em vez de ir direto para o jardim, Héracles procurou Atlas, cuja tarefa eterna era segurar o mundo em seus ombros. “Você deve estar cansado de suportar este peso tão grande”, disse Héracles. “Se você fizer uma coisa para mim, eu o substituo um pouco”. “O que eu tenho de fazer?”, perguntou Atlas, ansioso. “Apenas pegar para mim algumas das maçãs douradas que suas três filhas cuidam. Certamente elas lhes darão”. “Minhas filhas podem me dar as maçãs, mas a serpente que guarda a árvore certamente irá me matar”, disse Atlas. “Eu atiro uma flecha na serpente, de fora do Jardim”, disse Héracles. “Neste caso, eu farei o que me pede”, disse Atlas.

Assim Héracles matou a serpente e assumiu a carga de Atlas. Quando Atlas voltou com as maçãs, estava assobiando uma canção alegre. “É tão bom caminhar livremente pelo mundo”, disse. “Eu mesmo levarei estas maçãs para Euristeu. Você é um rapaz bem forte, capaz de segurar o mundo para mim”.

Héracles havia sido advertido por Nereu de que isso aconteceria. Então disse: “Depois do que você fez por mim, com prazer eu fico aqui. Mas sinto que o mundo já está esfolando minha cabeça. Se você pegá-lo de novo por um momento, eu farei uma almofada de grama”. Atlas deixou as maçãs e tomou o mundo de volta. Mas em vez de fazer uma almofada, Héracles pegou as maçãs e foi embora. “Muito obrigado”, gritou.

12ª Tarefa: Este trabalho era o mais difícil. Ele teria que descer até Hades, o Mundo dos Mortos, e trazer de volta o cão vigia do inferno, Cérbero, que tinha três cabeças. O serviço de Cérbero era manter os mortos no Hades, e os vivos fora de lá.

Quando Héracles desceu ao Mundo dos Mortos, viu muitos amigos e heróis lendários de tempos passados, que pareciam saudá-lo ou ameaçá-lo. Mas ele sabia que eram simples sombras, e os ignorou em sua busca pelo cão.

Héracles foi saudado pelo próprio Hades e por sua esposa, Perséfone. Hades riu e disse: “O cão é seu, se puder pegá-lo”. Reunindo toda sua coragem, Héracles jogou os poderosos braços ao redor do animal, esganando-o como tinha feito com o leão de Neméia, e o arrastou para o mundo do dia.

Cérbero uivou e ganiu todo o caminho para a luz, e onde as gotas de saliva caíam de sua boca, nasciam acônitos venenosos. Quando Héracles chegou a Tebas com o cão, seu primo Euristeu ficou tão aterrorizado que implorou que ele o levasse de volta. E foi esse o fim dos Trabalhos de Héracles.

No final, a morte chegou à parte mortal de Héracles quando ele vestiu uma camisa que sua mulher tinha acidentalmente embebido em veneno. Enquanto sua sombra mortal vagueia no Hades, sua parte imortal guarda as portas do Paraíso.