Pegasus

Fazenda Monte Olimpo

Pegasus

PEGASUS 

Perseus era um jovem corajoso que recebeu uma tarefa impossível do rei da ilha de Serifos, Polydectes, de trazer-lhe a cabeça do temido monstro marinho Górgona Medusa. 
  
Usando as sandálias aladas, presentes de Hermes, o escudo, presente de Athena, e o gorro da Invisibilidade, presente de Hades, Perseus voou, sem ser visto, até o lugar onde estava Medusa e suas duas irmãs, dormindo ao lado das já carcomidas estátuas dos outros heróis transformados em pedra por seu olhar. Olhando apenas para o reflexo da Medusa no seu escudo, Perseus arrancou a foice, cortou a cabeça da Górgona Medusa e a jogou na rede. Do seu sangue nasceu o maravilhoso cavalo alado, Pegasus. 
  
Pegasus, filho de Netuno e de Medusa, foi domado pelo herói Bellerophon, honrado em Corinth e Lycia, usando uma rédea doada por Athena, deusa da sabedoria. 
  
Pegasus se tornou a montaria preferida de Bellerophon que o cavalgou quando foi matar a Chimera (Quimera), monstro com cabeça de leão que expedia fogo, e tinha corpo de bode e rabo de serpente. 
 
Bellerophon matou-a, atirando uma lança em sua garganta. A lança tinha um pedaço de chumbo na ponta que derreteu com o fogo da respiração de Chimera, queimando-a por dentro. 
  
Bellerophon era um homem tão grande que acabou se achando igual aos deuses. Ele foi com Pegasus até o Monte Olimpo desafiá-los. Mas Zeus mandou uma vespa ferroar o animal que corcoveou, atirando Bellerophon na terra, onde ele terminou seus dias como mendigo. 
  
Quanto a Pegasus, Zeus começou a usá-lo para carregar seus raios. De volta à morada dos deuses, e durante o certame musical entre as Musas e as Piéridas, o monte Helicom inchou-se de prazer, ameaçando tocar o céu. Por ordem de Netuno, Pegasus bateu com o casco na montanha e a fez retornar ao tamanho normal; no lugar tocado pelo cavalo brotou a fonte Hipocrene. Mais tarde, Pegasus foi transformado em constelação do hemisfério boreal, onde brilha até hoje no chamado quadrado de Pegasus.