Pegasus

Fazenda Monte Olimpo

Pegasus

PROMETHEUS

Prometheus é primo de Zeus. Filho de Jápeto e de Clímene. Tem vários irmãos: Epimeteu [o inábil e desastrado por excelência], Atlas, Menérico. Era casado com Celeno e dessa união nasceram Deucalião, Lico e Quimereu. É considerado como criador ou mais precisamente benfeitor dos homens, que moldou em limo da Terra, roubou uma fagulha do fogo divino a fim de dar-lhe vida.

Foi por amor aos homens que Prometheus enganou Zeus. Primeiro em Mecone, durante um sacrifício solene, dividiu em duas partes um boi: pôs para um lado a carne e as entranhas do animal, cobrindo-as com a pele [couro], despojados da carne, cobriu-os com gordura, tingindo-os assim de branco. Disse a Zeus que escolhesse a sua parte, deixando o resto para os homens. O deus optou pelo esqueleto coberto de banha e, quando descobriu que naquele quinhão só havia ossos, ficou revoltado contra Prometheus e contra os mortais, que a sua astúcia tinha favorecido. Para os punir decidiu deixar de lhes enviar o fogo. Prometheus auxiliou-os mais uma vez: roubou o fogo – estava escondido no Olimpo – da forja de Hephaestus e levou-as para a Terra, escondidas num caule de férula [palmatória].

Para castigá-lo Zeus enviou-lhe a bonita Pandora – forjada por Hephaestus – portadora de uma caixa que, ao ser aberta, espalharia todos os males sobre a Terra. Como Prometheus resistiu aos encantos da mensageira, Zeus o acorrentou a um penhasco, onde uma águia devorava diariamente seu fígado, que se reconstituía. Jurou ainda que jamais libertaria o traidor. Heracles passou pela região e trespassou com uma flecha a águia, terminando assim o seu cativeiro.

Zeus orgulhoso do feito do seu filho que ampliaria ainda mais a sua glória, não protestou, mas para que o seu juramento não fosse vão, obrigou Prometheus a usar um anel feito de aço dos seus grilhões, com um pedaço de rocha a que estivera preso: assim um elo de aço continuaria a unir Prometheus ao seu rochedo.

Foi nesta altura que o Centauro Quíron, ferido por uma das flechas de Heracles, desejou morrer, não conseguindo suportar a dor dos ferimentos. Como era imortal, teria de encontrar alguém que aceitasse a sua imortalidade em troca da condição de mortal.

Prometheus prestou-lhe esse serviço, tornando-se imortal em vez dele. Zeus aceitou a troca e a imortalidade do Titã de bom grado, na medida em que ele lhe prestara um grande serviço, revelando-lhe um antigo oráculo segundo o qual o filho que nascesse de Zeus e de Tétis seria mais poderoso que seu progenitor e iria destroná-lo.

Prometheus possuía dons de adivinho. Foi ele que indicou e ensinou a Heracles que só Atlas poderia colher as maçãs do jardim das Hespérides. Também foi Prometheus que ensinou seu filho Deucalião, o modo de se salvar do dilúvio projetado por Zeus para aniquilar a raça humana, catástrofe prevista por ele.

Simboliza o homem que, para beneficiar a humanidade, enfrenta o suplício inexorável; a grande luta da conquistas civilizadoras e da propagação de seus benefícios à custa de sacrifício e sofrimento.